Danielle Kneer e Daniel Zapp

CRIMES REAISCASOS ESTRANGEIROS

4/26/20235 min read

Eles sobreviveram ao impossível

Danielle Kneer e Daniel Zapp tinham 18 anos e viviam em York – Pensilvânia, quando se conheceram através de um amigo em comum. Danielle estudava na Susquehanna University, enquanto Daniel era calouro da Universidade Carnegie Mellon. No primeiro encontro, Daniel levou Danielle para jantar e eles se divertiram bastante, Danielle estava encantada com ele. Quando chegou no dormitório da faculdade contou tudo para sua amiga Elizabeth Martins desejando que houvesse um segundo encontro.

Um tempo depois, no dia 08 de janeiro de 2000, Daniel mandou mensagem chamando-a para sair, contanto que ela escolhesse o local. Danielle aceitou logo de cara, mas não tinha ideia de onde poderiam ir. Ela decidiu pedir ideias para sua mãe que aconselhou que eles fossem apenas andar pela cidade. O casal foi até a marina e ficaram conversando durante um bom tempo sobre tudo, família, faculdade, passatempos e outras coisas, até que uma caminhonete vermelha se aproximou e um homem desceu do carro com um Rottweiler e perguntou se eles precisavam de carona, os dois recusaram e continuaram andando.

O homem parecia normal, até começar a seguir os dois e parar a caminhonete em frente deles bloqueando o caminho. O cara desceu do carro com uma arma apontada em direção ao casal e os mandou entrar no carro. Os dois ficaram assustados e Daniel começou a oferecer seu carro, seu computador, que estava dentro do veículo, mas o homem negou e mandou mais uma vez que eles entrassem na caminhonete.

O homem dirigia e reclamava o tempo todo, parecia estar delirando, enquanto isso no banco de trás Daniel e Danielle estavam implorando para ir embora. Eles diziam que iriam fazer tudo que o homem mandasse, desde que ele deixasse os dois irem. Até que ele finalmente parou o carro na frente de um rio e fez os dois descerem do carro. O homem estava muito preocupado e não sabia o que fazer, ele ficava andando de um lado para outro com a mão na cabeça e dizia “Eu não sei o que fazer” e atirou no rio, “Vocês viram meu rosto. O que eu vou fazer com vocês?” e deu outro tiro no rio.

Logo depois, ele mandou Danielle entrar no carro e Daniel ir para a traseira junto com o cachorro. O cara olhou para Danielle e disse “Então, você disse que faria qualquer coisa”, ela já sabendo ao que ele estava se referindo, apenas concordou para que pudesse ir embora logo e evitar que tanto ela quanto Daniel morressem. Após o ato, o criminoso apontou a arma para os dois e mandou eles irem em direção ao rio.

Enquanto o casal estava andando, o homem atirou em Daniel e depois em Danielle, ambos na cabeça, os dois caíram no rio. Daniel teve a ideia de cochichar para que eles se fingissem de mortos, já que o criminoso ainda estava observado na beira do rio, e assim fizeram.

Um tempo depois, ainda fracos para saírem do rio sozinhos, Daniel e Danielle foram resgatados por Pete Prowell, um caçador que estava ali na região, que viu os dois flutuando na água. Daniel estava sangrando muito, a ponto de quase sufocar com o próprio sangue, as chances de ele sair vivo eram bem baixas.

Os dois foram encaminhados para o Hospital. Danielle tinha uma lesão extensa na mandíbula inferior direita, os ossos foram quebrados em muitos pedaços, ela estava com o resto tão inchado que parecia uma bola de boliche, segundo o Dr. John Hankle. Danielle chegou a ficar em coma induzido.

Daniel também estava numa situação crítica e com muita dor, os médicos estavam preocupados de que se formasse um coágulo, cortando o suprimento de sangue para o cérebro. Ele estava acordado, mas com um respirador e cheio de tubos.

Quando os detetives chegaram no hospital para entrevistar as vítimas, só conseguiram conversar com Daniel através de um bloco de notas, já que ele estava com tubos e Danielle estava em coma. Daniel descreveu o criminoso como um homem branco, de 35 a 45 anos, loiro, muito bêbado que estava usando um chapéu marrom, calça jeans e tênis da Nike preto de cano alto. Contou sobre a pistola, o cachorro que se chamava Sam, a caminhonete e o que tinha dentro dela.

Os detetives foram conversar com a polícia local para descobrir se tinha alguém que batesse com a descrição, os policiais logo falaram de um homem conhecido como Babner. Ele já tinha tido alguns desentendimentos com a polícia envolvendo álcool, violência doméstica, briga com outras pessoas da região e ele também tinha um Rottweiler. A partir dessa informação a foto do senhor Babner foi incluído na lista de suspeitos.

Os detetives levaram a lista de fotos para Daniel e ele logo reconheceu o Sr. Babner, suas pupilas dilataram e sua expressão mudou na hora. O detetive Demangone, que era responsável pelo caso, mandou uma equipe ir atrás dele, mas não conseguiram encontrar em lugar nenhum. Até que tarde da noite, quando o detetive Demangone já estava indo embora, ele recebeu um comunicado no seu paiger pedindo para voltar a delegacia, pois já tinham achado o criminoso. William Babner estava hospedado na casa da namorada, a polícia e a equipe SWAT tinham chegado lá por volta da meia noite. William Babner era considerado um criminoso muito perigoso, por isso a SWAT foi acionada.

Chegando na residência, perceberam que Babner estava acompanhado de sua namorada e seus filhos, os policiais decidiram cercar a casa e aguardar até que ele estivesse sozinho para que ele não tivesse a oportunidade de fazer ninguém de refém. Quando a namorada e as crianças saíram pela manhã, a polícia entrou e prendeu Babner. E com um mandado de busca, a polícia achou tudo que Daniel tinha descrito no interrogatório, mas isso não era suficiente para dar uma sentença a Babner. Ele não se declarava como culpado, então Daniel e Danielle tiveram que ir depor no dia do julgamento que aconteceu em agosto de 2000.

Os dois estavam com muito medo de encarar Babner outra vez, mas foram ao julgamento. Algumas pessoas que presenciaram este dia, disseram que Babner não mostrou nenhuma reação de arrependimento ao ouvir o testemunho das vítimas, pelo contrário, parecia até que ele não queria declarar a culpa para poder ver os dois novamente, parecia estar gostando daquela situação. William Babner foi condenado por duas tentativas de homicídio, duas acusações de sequestro, uma acusação de roubo e três acusações de intercurso sexual desviante involuntário e uma acusação de estupro, resultando numa sentença de 117 a 235 anos.

Daniel e Danielle até tentaram manter o contato após o ocorrido, mas toda vez que conversavam lembravam da situação, e por conta disso tiveram que se afastar. Em 2007, Daniel se casou com outra moça que conheceu na faculdade e Danielle conheceu Kevin MacGuire, com quem casou e teve uma filha. Daniel, sua esposa, o chefe de polícia e o caçador foram convidados no casamento de Danielle.

Em 2011 Daniel estava estudando para um Ph.D em psicologia e Danielle era assistente social clínica. Essas são as últimas informações deles.

Outros Casos