Kamiyah Mobley - Sequestrada e encontrada 18 anos depois

CRIMES REAISCASOS ESTRANGEIROS

4/25/20234 min read

Ela foi encontrada viva 18 anos depois do sequestro

Kamiyah Teresiah Tasha Mobley era filha de Shanara Mobley, de 16 anos, e Craig Aiken, de 19 anos, que estava preso por porte de drogas. Shanara vivia na Flórida, e no dia 10 de julho de 1998, sua primeira filha nasceu na University Medical Center.

Após o parto, Shanara foi recebida por uma enfermeira muito simpática que levou Kamiyah até ela e depois de um tempo, precisou levar a recém nascida de volta para a ala da maternidade. Algumas horas depois, Shanara recebe a notícia de que Kamiyah, com apenas 8 horas de vida, não estava mais no hospital.

A polícia foi acionada, e quando chegaram no local, pediram para ver as câmeras de segurança e viram que Kamiyah saiu do hospital no colo de uma moça vestida com o uniforme da instituição. E que essa mesma moça, estava no hospital há 14 horas, andando de um lado para o outro. A princípio, Shanara achou que pudesse ser alguém de sua família, mas não tinha ninguém que batia com a descrição.

As imagens não estavam nítidas o bastante para identificar a sequestradora, mas a polícia divulgou um retrato falado de uma mulher entre 25 a 35 anos, que usava óculos e peruca curta. Esse retrato foi colocado em ônibus e hospitais com uma recompensa de 250 mil dólares. Como a família ainda não tinha uma foto de Kamiyah, a polícia teve que fazer uma composição dela pelo computador, o que resultou em diversas denúncias de possíveis suspeitos, mas nenhum deles de fato era compatível com a recém nascida.

Shanara apareceu em diversos programas de televisão durante os anos da investigação implorando para que trouxessem sua filha de volta, mas mesmo assim, não teve notícias de sua filha. Ela teve mais três filhos e recebeu 150 mil dólares numa ação contra o hospital.

Até que em 2017, a polícia recebe uma ligação do RH de uma empresa para investigar os documentos de Alexis Kelli Manigo, uma moça de 18 anos que pareciam ser falsos. Ao receber a documentação e ver a data de nascimento, a polícia começou a suspeitar de que fosse Kamiyah, então eles pediram que a empresa realizasse um exame de sangue, que mais tarde foi comparado com o DNA da recém nascida, e o resultado foi compatível.

Alexis Kelli Manigo, tinha 18 anos e estava registrada como filha de Glória Bolden Williams, de 33 anos, e seu marido, que tinham mais dois filhos. Durante sua infância, Alexis sempre foi muito disciplinada e frequentava a igreja. Ela e sua família tinham sido despejados algumas vezes, mas tudo começou a se endireitar quando eles foram para Walterboro, na Carolina do Sul. Sua mãe Glória era extremamente protetora, e por isso, adorava fazer coisas com Alexis, desta forma conseguia saber onde ela estava. Alexis não via isso como um defeito, na verdade, achava que essa atitude as aproximavam ainda mais. Em 2003, Glória e seu marido se separaram, Alexis não lidou bem a separação, e sentia muita raiva de seu pai, ela o considerava um oportunista que a tinha abandonado.

Ao completar seus 18 anos, Alexis decidiu ir procurar emprego. Depois de algumas entrevistas, ela conseguiu um trabalho e na hora de entregar sua documentação foi surpreendida. A empresa suspeitou de que os documentos eram falsificados e acionaram a polícia. As autoridades confirmaram que o número descrito em seu cartão do Seguro Social pertencia a um homem da Virgínia que tinha morrido em 1983.

No dia 13 de janeiro de 2017, a polícia contou para a familia de Kamiyah que ela tinha sido encontrada. Ainda sem entender muito o que estava acontecendo, no dia seguinte Alexis foi conhecer seus pais biológicos. Eles tiveram uma tarde muito agradável, e optaram por não conversarem sobre o sequestro, mas sim, sobre assuntos que os aproximassem e os fizessem uma família novamente.

Aos 51 anos, Glória foi presa na Carolina do Sul e extraditada para a Flórida. As autoridades descobriram que ela já tinha passagem pela polícia por fraude de cheques. Seu julgamento aconteceu em fevereiro de 2018, Glória se declarou culpada de sequestro, além de confirmar que agiu sozinha. Seu marido não sabia que a filha não era do casal, ele descobriu apenas quando Glória foi presa. Ela foi condenada a 18 anos de prisão, e ainda mantém contato com Kamiyah.

Em março de 2022, um pedido de redução de pena para Glória foi negado. Kamiyah até escreveu uma carta alegando que Glória tinha fornecido tudo que ela precisava e que sabia que mesmo ela estando errado, ainda a considerava como mãe.

Glória será liberada em 2034, enquanto isso ela está cursando administração de empresas e prestando serviço comunitário durante sua pena. Apesar da motivação do crime nunca ter sido clara, na época em que Kamiyah foi sequestrada, Glória tinha acabado de perder uma criança e estava passando por um relacionamento abusivo.

Os pais biológicos de Kamiyah disseram que não esperava ver ela pedindo para que reduzissem a pena de sua sequestradora, mas imaginavam que seria difícil para ela processar toda situação. Como ela ainda mantinha contato com sua sequestradora, Shanara e Craig não sabiam lidar com a situação, o que causava alguns conflitos na relação deles com a filha.


Hoje, Kamiyah usa seus dois nomes em suas redes sociais e é bem próxima da sua família biológica, principalmente de seus irmãos.

Outros Casos