Maria Isabel Pavez Zamora - 7 anos sem saber a verdade

CRIMES REAISCASOS ESTRANGEIROS

4/25/20234 min read

Depois de 7 anos ela descobriu a verdade sobre seu namorado

Maria Isabel Pavez era uma jovem de 22 anos que morava com sua mãe Lorena Zamora, sua irmã Brenda Pavez e o irmão mais novo Sérgio, em Lá Flórida no Chile. Ela era estudante de obstetrícia na Universidade Diego Portales. Desde muito nova, Maria sempre foi uma menina de muito estilo, usava roupas e maquiagem pretas nos olhos, tinha cabelos coloridos, mas também sempre foi muito alegre, cheia de amigos e muito apegada ao seu irmão mais novo.

Quando tinha 15 anos, Maria conheceu Igor Yaroslav Gonzalez, de 29 anos. O relacionamento durou 7 anos, mas em dezembro de 2020, Maria decidiu terminar o namoro. No dia 17 de dezembro, ela contou para sua irmã mais velha o que ia fazer e ficou de se encontrar com Igor em seu apartamento no centro de Santiago, onde ele morava com mais um colega de quarto.

Ao chegar lá no meio da tarde, Maria percebeu que Igor estava sozinho, o que tornava o momento ideal para eles terem uma conversa mais séria. Nessa época, ela estava com 22 anos e ele com 36.

Algumas horas se passaram e ninguém tinha notícias de Maria. Lorena, mãe da jovem, decidiu ligar para sua filha, mas o telefone só chamava. Logo em seguida, ela recebeu uma mensagem de Maria avisando que estava tudo bem, mas que não conseguia atender porque estava com um problema de áudio no celular. Alguns amigos de Maria Isabel também receberam mensagem da jovem no final do dia dizendo que ela estava indo encontrar um rapaz que tinha conhecido no Tinder, e desde então, ninguém mais teve notícias dela.

Conforme as horas iam passando, Brenda decidiu entrar em contato com Igor, mas ele alegou não ter visto ou tido contato com Maria naquele dia. Então a família e amigos começaram a fazer campanha nas redes sociais, pedindo para as pessoas entrarem em contato se tivessem visto ela, e depois de 48 horas, a polícia iniciou as buscas. A princípio, eles estavam em busca de informações sobre o possível rapaz do Tinder, mas não conseguiram avançar.

Até que no dia 23 de dezembro, o colega de quarto de Igor percebeu que ele não estava indo para o apartamento desde o dia 18, então ele entrou no quarto do rapaz para saber se as coisas estavam tudo em ordem e ao abrir o guarda roupa encontrou o corpo de Maria Isabel enrolado numa coberta azul. Ele acionou a polícia e avisou que Igor não ia para casa há alguns dias.

As autoridades soltaram um alerta avisando que Igor Yaroslav Gonzalez estava foragido. Brenda postou foto do criminoso em suas redes pedindo ajuda para encontrá-lo, foi então que a irmã de uma moça chamada Itzel Monroy reconheceu o rapaz da foto como Carlos Humberto Méndez Gonzalez, o criminoso responsável por matar Itzel, de 17 anos, em abril de 2009 no México e que estava desaparecido desde então.

A partir dessa informação, a polícia começou a investigar a real identidade do foragido e foi confirmado que o nome real dele era Carlos Humberto Méndez González e que ele estava se passando por Igor Yaroslav Gonzalez através de identidade falsa.

No dia 06 de janeiro, a polícia encontrou Carlos em um albergue para refugiados em Valparaiso e o prenderam. De acordo com os policiais presentes, ele tentou pegar a faca que estava sob a mesa para tentar se defender, mas foi detido e optou por usar o seu direito de ficar em silêncio. As autoridades acreditam que ele também estava no local para poder planejar sua fuga.

De acordo com a autópsia, Maria teve vários ferimentos em seu corpo por um picador de gelo, eles também confirmaram que a morte tinha sido no mesmo dia do seu desaparecimento.

No dia do seu julgamento, Carlos optou por renunciar o seu pedido de ficar em silêncio e colaborar com as investigações. Ele contou que o crime foi uma ação exagerada decorrente de uma notícia de traição por parte de Maria, e que não foi algo planejado. Quando percebeu o que tinha acontecido, ele começou a passar mal e teve que tomar uns 3 ou 4 analgésicos para conseguir melhorar. Logo depois, ele entrou em pânico e decidiu fugir. Carlos também pediu desculpas à família e foi condenado à prisão perpétua.

Lorena, mãe de Maria Isabel, deu diversas entrevistas para um grupo que fala sobre o feminicídio, e eles fizeram uma passeata em homenagem a Maria Isabel. Hoje, ela faz parte do grupo e ajuda divulgando fotos de meninas desaparecidas ou que também sofreram pelo feminicídio.


Outros Casos