Janet Chandler - Ciúmes e inveja

CRIMES REAISCASOS ESTRANGEIROS

4/24/20237 min read

Amiga planejou algo inimaginável para Janet

A Jornada de Janet Chandler: Uma vida devotada à música e à fé.

Janet Chandler era uma jovem de 22 anos, estudante de música em Holland, Michigan. Seus pais Jim e Glenna Chandler, eram da igreja e por isso, Janet sempre foi devota e desde muito cedo participava de missões evangélicas, cantava no coro da igreja e no ensino médio, ela trabalhava meio período numa creche, mas ficou pouco tempo, pois queria seguir seu sonho de cantar. Começou a investir em aulas de música e piano, e por conta dessa dedicação, Janet tinha pouquíssimos amigos.

Mesmo crescendo em um lar com várias regras bem rígidas, Janet era muito carinhosa e extrovertida. Teve alguns namorados no ensino médio, mas que não duraram ou avançaram sexualmente.

O Emprego no Blue Mill In: O desvio dos caminhos e a amizade com Laurie

Quando iniciou a faculdade, Janet teve que se mudar para o campus e começar a procurar um emprego. Ela conheceu Laurie Ann Swang, de 21 anos, que era sua colega de quarto e também gerente do Blue Mill In, um motel da região. Janet e Laurie se tornaram amigas, e Janet conseguiu um emprego no Blue Mill In como balconista noturna. Trabalhar num motel não era algo que os pais de Janet apoiavam, mas entendiam a necessidade da filha e confiavam no seu compromisso com a igreja.

O Crime: A noite fatídica que mudou tudo em Holland, Michigan.


Até que no dia 31 de janeiro de 1979, a polícia recebeu uma ligação sobre um incidente que tinha acontecido no Blue Mill In. Um dos guardas estava com Janet no telefone quando ouviu um intruso invadir o escritório. E algumas testemunhas viram um homem levando Janet para dentro de um carro que parecia um jipe. No início, os policiais trataram o caso como roubo seguido de sequestro, pois estavam faltando 500 dólares no caixa. Até que no dia seguinte, eles encontraram o corpo de Janet enterrado na neve perto de uma rodovia a cerca de 60 km do motel, o caso passou a ser homicídio.

Na época, a polícia interrogou todos os hóspedes, amigos e até mesmo os bandidos locais. Eles descobriram que Janet tinha tido relacionamento com vários indivíduos no Blue Mill In. Dennis, o irmão mais novo de Janet, também confessou que depois que começou a trabalhar no Blue Mill In, ela estava diferente, parecia ter provado da vida adulta, como bebidas e encontros diferentes.

Naquela época, estava havendo uma greve que paralisou a fábrica de tintas local Chametron. Para se proteger, a Chametron contratou alguns guardas para perseguir os grevistas.


Depois do expediente, os fura-greves, o nome dado para aqueles que continuavam trabalhando, e os guardas iam até o Blue Mill In para se encontrar com mulheres, sendo assim o motel estava sempre muito movimentado e cheio de homens, homens estes com quem Janet também se envolveu.

Mesmo com alguns suspeitos, eles não tinham provas suficientes para acusar ninguém e o caso teve que ser encerrado.

Documentário "Who Killed Janet": O ressurgimento da investigação após duas décadas.

Até que em setembro de 2003, mais de duas décadas depois, um professor de cinema chamado David Schock, estava entrevistando um guarda aposentado e perguntou se tinha algum caso que o assombrava, e o guarda falou sobre o caso de Janet. Então David teve a ideia de trazer o caso de Janet à tona através de um documentário. Ele pediu para seus alunos na Hope College que fizessem um documentário sobre a história, e que eles entrevistassem tanto a família, quanto amigos e os policiais envolvidos no caso e discutir com eles suas possíveis teorias, no intuito de reviver a memória de Janet.

A única pessoa que eles não conseguiram entrevistar foi com a antiga chefe e colega de quarto de Janet, Laurie. Depois do assassinato, ela se mudou e ninguém mais teve notícias dela.

O documentário recebeu o nome de Who Killed Janet e, no dia 30 de janeiro de 2004, ele foi exibido no Teatro local atraindo muitas pessoas. Como o documentário tinha despertado novas memórias no pessoal da cidade, os policiais resolveram reabrir o caso.

Reabertura do Caso: A busca pela verdade e o papel de David VanLopik.

O novo detetive designado para a reabrir o caso foi David VanLopik. De abril até junho, David se reuniu com outros três detetives para discutir o caso com as pistas daquela época e ver possíveis testemunhas.


A polícia foi atrás da ex-colega de quarto, Laurie. Ela já estava com 40 e poucos anos, e se lembrava de Janet como uma menina musical e divertida, mas ao ver a foto dela com vários guardas, a expressão no rosto de Laurie mudou completamente. Ela tinha dito que aquele grupo era "selvagem" e que gostam de festejar. Ela também disse que tanto ela quanto Janet tiveram casos com eles.

Os investigadores ainda tinham várias pistas e pessoas para entrevistar, mas um guarda em específico havia chamado a atenção, Robert Michael Lynch. Na época, ele tinha 39 anos e por ser mais velho do que os outros guardas, ele ficava dentro da fábrica fazendo serviços administrativos. Quando os investigadores o encontraram novamente, descobriram que ele tinha se mudado de cidade e aberto uma escola de beleza junto com a sua esposa, enquanto a ajudava a criar seus dois filhos, mas o que mais chamava a atenção dos investidores, era o quanto ele ainda bebia para um senhor de 65 anos. Desde novo, Robert bebia muito, mas mesmo com a idade avançada, ele ainda tomava doses de bebidas fortíssimas durante todo dia, o que chamou a atenção dos investidores.

Confissões e Condenações: Revelações chocantes e o desfecho na justiça


Depois de várias visitas e entrevistas, Robert disse que estava intimamente envolvido, pois ele e Janet se encontraram algumas vezes. E que na época do assassinato, Janet estava com outros guardas numa festa que tinha dado errado. Essa tinha sido a primeira vez durante toda a investigação que a festa foi mencionada, mas quando questionado sobre mais detalhes, Robert disse que apenas tinha ouvido falar e não sabia de mais informações.

Os investigadores estavam sempre indo conversar com Robert, pois sabiam que ele tinha mais coisas para contar, mas precisavam ter paciência. Até que em uma das entrevistas, David perguntou para Robert se o que aconteceu com Janet acontecesse com sua filha, ele não gostaria de saber quem era o responsável. Então Robert começou a contar mais detalhes do que sabia durante seu período de guarda.


No dia 30 de janeiro de 1979, um pouco antes da meia noite, Janet chegou ao Blue Mill In para começar o seu turno. Uma das empregadas descobriu que Janet saia com o seu namorado, que era um dos guardas, Laurie também estava enfurecida com ela naquela noite, pois tinha descoberto que ela tinha saído com o líder dos guardas, o Arthur Paiva, mas ao invés de gritar com Janet como a outra empregada, ela perguntou para Paiva se ele sabia que Janet andava saindo com outros guardas sob seu comando, e Paiva ficou extremamente nervoso. Então ele, Laurie e os guardas organizaram uma festa surpresa para Janet para dar uma lição nela.

Em 31 de janeiro, Robert estava em seu quarto quando, por volta das 2h da manhã, um dos guardas ligou pedindo ajuda para atrair Janet para fora do escritório e levar ela para a pousada onde Paiva estava hospedado.


Robert encontrou com Janet no saguão e disse que tinha uma festa sendo realizada em sua homenagem. Eles a colocaram dentro de um carro, mas Robert não foi com os outros guardas, pois tinha que levantar cedo no dia seguinte para trabalhar.

Porém antes que o outro guarda saísse com Janet, ele pegou dinheiro do motel para simular um assalto e foi dormir.

No dia seguinte, ao terminar seu turno, ele foi para o lugar onde Paiva estava hospedado para ver o que tinha acontecido. Ao chegar lá, encontrou Janet sentada nua com uma fita adesiva na boca e com os braços amarrados. Ela estava paralisada, parecia que estava drogada, mesmo a autópsia não achando drogas em seu organismo horas depois. Um dos guardas estava dançando de cueca enquanto tinham outras mulheres bebendo na casa.

Durante o tempo que Robert ficou lá, ele viu um dos guardas amarrar um cinto em volta do pescoço de Janet e a sacudir, depois ela foi levada para um quarto seguida por uma trilha de homens que a violentaram coletivamente.

Laurie também estava na casa, e entrou no quarto apenas para xingar Janet de cadela. Robert confessou que também violentou Janet.

Em fevereiro de 2006, Robert foi preso e acusado de homicídio em primeiro grau. As investigações continuaram e com a confissão de Robert, outras pessoas também acabaram confessando, incluindo Laurie, a melhor amiga e colega de quarto de Janet. Laurie confessou que planejou tudo aquilo por inveja, já que Janet era muito bonita e chamava atenção de todos os homens se envolvendo com eles. Em setembro do mesmo ano, David tinha o suficiente para acusar Laurie, Paiva, e os três soldados Freddie Parker, James Nelson e Anthony Willians que estavam presentes.

Em dezembro, a promotoria permitiu que Robert se declarasse culpado de homicídio em segundo grau, incluindo a confissão de ter enterrado o corpo de Janet na neve. Ele foi condenado de 25 a 40 anos de prisão.

Por Laurie ter confessado o resto da história, ela foi condenada a 20 anos. Já Freddie, James e Anthony foram condenados à prisão perpétua. Haviam muito mais pessoas naquela noite, mas que não puderam ter sido acusadas por faltas de prova.

Outros Casos